Doença do Beijo: Cuidado ou ela pode te pegar neste carnaval

Para a maioria das pessoas, principalmente os mais jovens, carnaval é o melhor período para “pagação”.
Todo mundo é de todo mundo e ninguém é de ninguém.Beijar na boca vira até competição, quando os grupos de amigos chegam a promover “competições” para ver quem consegue dar mais beijo na boa em uma única noite ou dia.
Se a maioria não tem preocupação em se proteger nem mesmo quando faz sexo – por isso são alvo preferencial das campanhas de prevenção contra DST/Aids – está menos preocupada ainda com as doenças que podem ser transmitidas pela saliva.
O beijo pode transmitir uma doença chamada mononucleose infecciosa, popularmente conhecida como doença do beijo, que pode levar à meningite, anemia hemolítica e outras enfermidades consideradas graves.Causada pelo vírus Epstein-Barr, a mononucleose é altamente contagiosa e pode ser transmitida pela saliva, além de por transfusão de sangue e contato sexual.
Atinge qualquer faixa etária, mas é mais comum entre adolescentes e jovens adultos.De acordo com Isabela Baraúna, médica infectologista, alguns cuidados pessoais podem evitar a contaminação. “Os principais fatores para a proliferação da mononucleose são as más condições de higiene pessoal e a grande concentração de pessoas em um pequeno espaço, que propicia aglomeração e facilita a dispersão do vírus”, explica.
A doença causa febre, dor de garganta, mal estar, fadiga, aumento de gânglios (com dores), de fígado e baço.Os sintomas duram em média três semanas e cerca de 10% dos casos apresentam erupção cutânea, deixando a pele avermelhada e com aspecto de lixa.Os pacientes devem procurar o serviço médico, que fará o correto diagnóstico da doença, que não deve ser tratada com antibióticos.“A mononucleose é uma virose e esses remédios não têm indicação no tratamento. Só estão indicados quando a doença se complica em algum processo bacteriano”, alerta a médica.
Outros fatores que facilitam a proliferação da doença é que o período de incubação do vírus poder chegar a até 30 dias, não existe tratamento específico e a prevenção é complicada.“Até o momento, não existe nenhuma vacina. Geralmente, a virose não é fatal, mas podem ocorrer complicações como meningite, encefalite, anemia hemolítica e, em casos mais graves, ruptura do baço”, afirma a infectologista.
O diagnóstico nem sempre é fácil porque outras viroses também apresentam quadro clínico semelhante.No momento da análise, o médico tem que se basear na história epidemiológica, quadro clínico e em exames complementares sugestivos.“Exames laboratoriais podem apresentar presença de linfócitos atípicos e orientar ao médico”, explica a Isabela.Quanto a testes específicos para mononucleose, existem as pesquisas de anticorpos heterófilos (monoteste), que podem apresentar resultados falso-positivos e falso-negativos (na presença de outras patologias), e a sorologia para pesquisa de anticorpos IgG e IgM para Epstein-Barr.
Esse último apresenta maior sensibilidade e especificidade, podendo indicar a presença de doença ativa ou passada.“Atualmente, já está disponível a pesquisa do próprio vírus pela técnica de PCR em alguns materiais, como sangue e secreções respiratórias, o que possibilita um diagnóstico mais específico”, finaliza a infectologista.

Origem: Portal Band

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: